domingo, 26 de dezembro de 2010

Eu li "O Símbolo Perdido"

E Gostei muito!
Por recomendação de um amigo comprei o livro. Eu tenho um interesse muito grande por um tema: Maçonaria. E o livro trata exatamente disso, de forma romanceada, em uma obra de ficção. Apesar de irreal, a simbologia e alguns fatos parecem realmente fazer parte do mundo maçônico, sem denegrir a imagem da fraternidade.
Com uma séria de detalhes, simbologias, o talentoso Dan Brown consegue levar o leitor em uma emocionante aventura em que o leitor se envolve e faz querer ler mais e mais na busca de saber qual o mistério revelado no livro em uma luta entre "mocinhos" e "bandido", se assim podemos definir os personagens.
Em O Símbolo Perdido, o célebre professor de Harvard é convidado às pressas por seu amigo e mentor Peter Solomon - eminente maçom e filantropo - a dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. Ao chegar, descobre que caiu numa armadilha. Não existe nenhuma palestra, Solomon está desaparecido e, ao que tudo indica, correndo grande perigo.
Mal´akh, o sequestrador, acredita que os fundadores de Washington, a maioria deles mestres maçons, esconderam na cidade um tesouro capaz de dar poderes sobre-humanos a quem o encontrasse e, está convencido de que Langdon é a única pessoa que pode localizá-lo.
Sendo essa a única chance de salvar Solomon, o simbologista se lança numa corrida alucinada pelos principais pontos da capital americana: o Capitólio, a Biblioteca do Congresso, a Catedral Nacional e o Centro de Apoio dos Museus Smithsonian.
O Livro também virou filme, a exemplo de "O Código Da Vinci", do mesmo autor.Recomendo a leitura das 512 páginas deste livro. Em pesquisas na internet vários locais o colocam para baixar, mas nada melhor do que ter o livro, tocá-lo, sentir o aroma das páginas durante a leitura. No Site Submarino o livro custa R$ 23,90 em promoção.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Nova diretoria do Sindicato dos Radialistas e Publicitários do RN toma posse

Na última terça-feira, 21, tomou posse a nova diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Radiodifusão, Televisão e Publicidade no Estado do Rio Grande do Norte, para o triênio 2011/2013.

A mesa dos trabalhos contou com a presença do presidente da Comissão Eleitoral, Cristovão Lucas, da ex-presidente do Sindrtp, Ednalva Moura e do vice-coordenador da Federação Interestadual dos Radialistas - Fitert, Petrônio Lucas.

O presidente do SINDRTP, Jailson Gomes, agradeceu a todos os convidados e ainda falou sobre as mudanças e de como vai conduzir o sindicato. Ele ainda apresentou a equipe que irá apoiá-lo administrativamente e elencou alguns projetos e idéias para fortalecer a união da categoria e a comunicação do sindicato, com ênfase nas redes sociais e no site da instituição e numa parceria maior com Sindicatos co-irmãos e com a FITERT, federação a qual o sindicato do RN é filiado.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Bota de ladinho que entra....

...já tava pensando em sacanagem né???????????????????????????????????????

Do Blog do Amigo Nenel Vieira

Pão Quente ...
Quero Parabenizar Augusto Pinz por seu retorno à mídia radiofônica... Agora está na Rádio Liberdade AM - 1500 apresentando os Programas "Alô Colônia + Comunicação Geral" de segunda à sexta das 13:20 às 18:00 horas ...
Sucesso meu 'nobre amigo'! É o que você gosta e, sabe fazer!!!

Conheça o Consciência Urbana

Obrigado Nenel por todo o carinho. Tenho grande admiração pelo amigo, pelo jeito simples e sincero que levas no teu dia-a-dia!!!!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Animalzinho

Eu sempre tive uma certa resistência a bichinhos de estimação. Quando pequeno nunca tive, o que fez com que eu não tivesse intimidade com gatos, cachorros, e outros bichos. Para pioar a situação, quando tinha lá meus 12 anos ganhei uma catorrita. E foi trágico!
Um determinado dia nossa empregada resolveu dar banho no pássaro e limpar a gaiola. Deixou a catorrita em cima duma gaiola e veio um gato e "nhaque", saiu correndo com o passarinho na boca. Então fiquei traumatizado e nunca mais quis saber de animais de estimação.
Mas dois anos atrás, ao nos mudarmos, minha mãe adotou uma cachorrinha de rua. Deu o nome de "Pitica" e desde então ela vive com a gente enchendo a casa de alegria com as estripulias dela. Mudei totalmente meus conceitos. Outro dia minha mãe apareceu com mais uma cachorra, que segundo ela estava perdida. Muito doce, recebeu nome parecido da outra cachorrinha. Chama-se Pitoca.
Com a Pitica, apesar do contato tinha uma certa distância, ela é mais apegada a mãe e tem muito ciúmes de quem chega perto. Já a Pitoca foi o contrário. A gente bateu o olho e rolou uma simpatia mutua. Incrível. Adorei ela e pelo visto ela gostou de mim também. Não tem como ficar de cara feia com um animalzinho que só quer carinho e atenção. Chega a ser um momento em que deixo todo o stress do dia pra trás. Brinco com ela que já me espera fazendo festa no portão. Hoje, depois de um bom banho no Pet Shop ela chegou toda cheirosa e veio para minha volta. Veja:
Eu e a Pitoca, novo membro da família.
Infelizmente após dois anos conosco ela acabou morrendo. Atualmente, em 2016, estamos com seis cachorros em casa: Pitica, Sandy, Pretinhas (2), Pirigueti e Raimundão.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Mamãe minha retratista preferida

Desde que comecei minha faculdade de jornalismo, em 2007, minha mãe tem sido uma grande parceira. A força que ela me dá é enorme, o incentivo então, nem se fala. Mas parece que a coisa já ta tomando proporções de ter quase uma colega em casa já.
Um pouco antes da faculdade criei o site CANGUÇU EM FOCO - http://www.cangucuemfoco.com.br/ - com informações de minha cidade,já que aqui temos apenas rádios sem jornal impresso. Então o site cumpre este papel de midia escrita. O site tomou uma proporção bem maior do que eu imaginava com milhares de acessos diários e muito trabalho, todo mundo mandando pautas, e a maioria muito boas. Para atender tudo isso, minha mãe atacou de repórter. Quase uma estagiária do site já!!
A gente se divide. Ela acompanha alguns atos do Executivo e eu vejo outras pautas. E o instinto dela, que trabalhou 32 anos na rádio Liberdade AM, é incrivel. Na foto abaixo uma amiga registrou dona Terezinha Moreira em Ação:
Obrigado mãe! Te amo!

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Os Direitos Autorais dos Jornalistas

1) A Apijor – Associação Brasileira da Propriedade Intelectual dos Jornalistas Profissionais, com registro no 3º Cartório de Títulos e Documentos da Capital de São Paulo, e com inscrição no CNPJ sob o nº 04.293.628/0001-83, é uma entidade civil sem fins lucrativos, constituída e organizada para a defesa dos direitos intelectuais, quer morais ou patrimoniais, o incentivo ao desenvolvimento social e cultural, e para representar os Titulares de Direitos Autorais e Conexos da categoria dos Jornalistas Profissionais em todo o país, na forma que estabelecem a Constituição Federal nos artigos 5º, incisos XXVII e XXVIII, e as Leis de nºs 9.610/98 e 9.790/99.
2) Dispõe a Constituição Federal em seu artigo 5º, inciso XXVII: XXVII – Aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar.
3) A Lei 9.610/98, chamada Lei dos Direitos Autorais e Conexos, reconhece que obra intelectual é criação do espírito “expressa por qualquer meio ou (fixada) em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente” – o que é o mesmo que dizer: criação do espírito veiculada em qualquer das mídias existentes o por existir.
4) Todo trabalho jornalístico é trabalho intelectual (Artigo 302, parágrafo 1º da CLT e Decretos Leis 972/69 e 83284/79). Sendo criação do espírito o trabalho do jornalista, todo jornalista é autor.
5) A Lei 9.610/98, dos Direitos Autorais, reza em seu Artigo 22: Art. 22 – Pertencem ao autor os direitos morais e patrimoniais sobre a obra que criou. Como se vê a Lei considera duas modalidades de direito num mesmo conceito: moral e patrimonial. A Lei também reconhece a co-autoria. Nesse caso, segundo o Artigo 23, os co-autores exercerão de comum acordo os seus direitos.
6) Os Direitos Morais, são reconhecidos mundialmente como inalienáveis e irrenunciáveis, e está explicito no Artigo 27 da LDA.
7) O Artigo 24 da Lei 9.610/98 explicita em seus parágrafos:
I – o de reivindicar, a qualquer tempo, a autoria da obra; II – o de ter seu nome, pseudônimo ou sinal convencional indicado ou anunciado, como sendo o do autor, na utilização de sua obra; (...)
Associação Brasileira de Proteção da Propriedade Intelectual dos Jornalistas
Rua Fábia, 27 – CEP 05051-030 – São Paulo – SP – tel 11 36723996
apijor@autor.org.br
A PI JOR C
IV – o de assegurar-lhe a integridade, opondo-se a quaisquer modificações, ou à prática de atos que, de qualquer forma, possam prejudicá-la, ou atingi-lo, como autor, em sua reputação ou honra;
8) Os Direitos Patrimoniais asseguram ao autor a remuneração pela sua obra. Assim, em seu artigo 28 a Lei 9.610/98 estabelece: Art. 28 – Cabe ao autor o direito exclusivo de utilizar, fruir e dispor da obra literária, artística ou científica.
9) A transferência parcial ou total dos direitos patrimoniais da obra só pode dar-se com a anuência expressa do autor. Isso é válido para qualquer que seja a finalidade da utilização – jornalística, publicitária ou qualquer outra -, assim como qualquer que seja o a mídia utilizada - jornal, revista, rádio, televisão, Internet – ou seja, meios de comunicação existentes ou a serem inventados.
10) Conforme explicitado no artigo 49 da referida Lei: Art. 49 – Os direitos de autor poderão ser total ou parcialmente transferidos a terceiros, por ele ou por seus sucessores, a título universal ou singular, pessoalmente ou por meio de representantes com poderes especiais, por meio de licenciamento, concessão, cesso ou por outros meios admitidos em Direito, obedecidas as seguintes limitações:
11) O artigo 29 da mesma Lei, estabelece que: Art. 29 – Depende de autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais como: I – a reprodução parcial ou integral; II – a edição; (...) IV – a tradução para qualquer idioma; (...) VI – a distribuição, quando não intrínseca ao contrato firmado pelo autor com terceiros para uso ou exploração da obra; VIII – a utilização, direta ou indireta, da obra literária, artística ou científica, mediante: (...) j) exposição de obras de artes plásticas ou figurativas; (...) x) quaisquer outras modalidades de utilização existentes ou que venham a ser inventadas.
12) A reprodução da obra por outras mídias é vedada pelo Artigo 31 Art. 31 – As diversas modalidades de utilização de obras literárias, artísticas ou científicas ou de fonogramas são independentes entre si, e a autorização concedida pelo autor, ou pelo produtor, respectivamente, não se estende a quaisquer das demais.
Associação Brasileira de Proteção da Propriedade Intelectual dos Jornalistas
Rua Fábia, 27 – CEP 05051-030 – São Paulo – SP – tel 11 36723996
apijor@autor.org.br
A PI JOR C
13) A reutilização da obra do autor ou a sua utilização para fins diversos do contratado, que ocorre sem o seu conhecimento, contraria o disposto no artigo 50 da Lei de Direitos Autorais que dispõe:
Art. 50 – A cessão total ou parcial dos direitos de autor, que se fará sempre por escrito, presume-se onerosa.
14) Em atenção aos dispositivos legais de proteção aos autores o Direito Trabalhista exige que o empregador mencione no contrato de trabalho para qual meio o jornalista vai trabalhar. Ou seja, não se admite um empregador contratar um autor para várias mídias. O Precedente Normativo Nº 55 do Tribunal Superior do Trabalho estabelece:
C. TST – PN nº 55 – O empregador é obrigado a mencionar, no contrato de trabalho, o órgão de imprensa no qual o jornalista vai trabalhar.
15) A LDA, em seu capítulo II, particularmente em seus Artigos 104 e 105, especifica as sanções a que estão sujeitas as violações aos Direitos Autorais:
Art. 104 - Quem vender, expuser a venda, ocultar, adquirir, distribuir, tiver em depósito ou utilizar obra ou fonograma reproduzidos com fraude, co a finalidade de vender, obter ganho, vantagem, proveito, lucro direto ou indireto, para si o para outrem, será solidariamente responsável com o contrafator... Art. 105 – A transmissão e a retransmissão, por qualquer meio ou processo, e a comunicação ao público de obras artísticas, literárias e científicas, ... realizadas mediante violação aos direitos de seus titulares, deverão ser imediatamente suspensas ou interrompidas pela autoridade judicial competente, sem prejuízo da multa diária pelo descumprimento e das demais indenizações cabíveis, independentemente das sanções penais aplicáveis; caso se comprove que o infrator é reincidente na violação aos direitos dos titulares de direitos de autor e conexos, o valor da multa poderá ser aumentado até o dobro.
16) As Sanções civis tratadas pela LDA se aplicam sem prejuízo das sanções penais cabíveis, ou seja, aquelas previstas nos Artigos 184 a 186 do Código Penal.
Associação Brasileira de Proteção da Propriedade Intelectual dos Jornalistas
Rua Fábia, 27 – CEP 05051-030 – São Paulo – SP – tel 11 36723996
apijor@autor.org.br

Curiosidades sobre Jornalismo

A invenção da imprensa, por Johannes Genfleisch Gutenberg, em 1442 na Alemanha, possibilitou a impressão de livros e jornais.O primeiro livro imprimido emprensa foi uma edição da Bíblia, em 1455. Com a evolução das técnicas foi possível a inserção de figuras e ilustrações. Em 1486, os franceses começaram a produzir almanaques e revistas, em 1529 foi lançado o que seria o precursor do jornal: folhas soltas, que continham informações e notícias.
Em 1597, ao adotar periodicidade na produção dos exemplares, os suíços introduziram essa característica ao "folhetim". Ao somar as duas especificidades (notícias e periodicidade), em 1605, na Bélgica, foi lançado o primeiro jornal, que se espalhou pela Europa.
No Brasil, em 1747 a imprensa foi proibida pelos portugueses, apenas um ano após ter sido inaugurada no Rio de Janeiro. Com a vinda da família real portuguesa para o Brasil, em 1808 criou-se aqui, a Imprensa Régia, órgão exclusivo do governo. Diante dessa forma de repressão o primeiro jornal brasileiro foi produzido em Londres.
Em 1808 Hipólito da Costa inaugurou o Correio Braziliense, periódico que criticava o governo português, que impossibilitado de proibir sua impressão, aplicava penas a quem o lesse, e determinou a criação da Gazeta do Rio de Janeiro, que divulgava notícias favoráveis ao Reino Português.
Em 1822, com a conquista da independência o Correio Brasiliense foi fechado, 175 edições depois, pelo seu fundador que é considerado o patrono da imprensa no Brasil.
Em 1934 foi fundado o primeiro sindicato dos jornalistas, em Juiz de fora (MG), porém a regulamentação da profissão veio apenas em 1938 e a exigência de diploma de curso superior foi determinada em 1969.

Fonte: http://www.brasilprofissoes.com.br

sábado, 4 de dezembro de 2010

Convergência no Twitter

Hoje em dia o conceito de interatividade esta presente em tudo. Vivemos no mundo interativo. Programas de televisão, sites de internet, rádio, tudo nos desafia a ser interativo e ter uma participação ativa junto ao meio.
Mas é na internet que o “interativo” ganha cada dia mais força. Tudo é interativo na visão dos internautas. Os jogos, os bate-papos, as compras on-line, e tudo que se possa fazer através do computador.
O conceito de interativo já existia antes disso, é fato, sempre esteve presente.O termo ganhou força com questão digital pressupondo um termo utilizado para designar a ação entre homem e máquina.
O que vemos hoje, com as tecnologias do digital, não é a criação da interatividade propriamente dita, mas de processos baseados em manipulações de informações binárias (André Lemos, professor).
Com uma rapidez incontrolável o internauta tem em suas mãos cada dia mais novidades para se manter interativo com outros internautas de todo o mundo, independe de cor, sexo, idade ou credo. E um destes meios é o twitter, hoje o xodó da internet. Lá podemos nos comunicar de maneira instantânea ou de forma offline com outros usuários, os “seguidores”.
O twitter é hoje o meio de convergência digital que mais cresce com participantes no mundo. No microblogue, as pessoas optam por falar de si, mandando imagens de locais onde estiveram, vídeos utilizando o youtube para mostrar o que fizeram em conjunto com amigos, mandam links de blogs e textos que gostariam de compartilhar com amigos.
Eu confesso que ainda não sei utilizar todas as ferramentas do twitter e muitas vezes me sinto meio perdido. Pela própria falta de tempo acabo utilizando pouco este espaço. Mas conforme vou colocando meus “posts” vejo que meu número de seguidores cresce e interage comigo respondendo os recados, contestando, concordando e o mesmo acontece comigo no fator inverso.
Atualmente na busca de aumentar os acessos aos meus blogs, resolvei testar o twitter mandando os links das principais notícias. Tenho atualmente aproximados 100 seguidores e percebi que tive este número de aumento de visitas. Ao realizar isso percebemos a convergência entre as mídias. Neste caso utilizando da internet para a própria internet.
Dentro do próprio microblog encontramos um perfil intitulado “Convergência Digital” (http://twitter.com/convergencia) que é uma mostra “real” da convergência no twitter. Neste perfil são colocados vários links com notícias de um outro site - http://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?tpl=home – que trata do tema com noticias de todo o mundo.
Outra faceta que comprova esta convergência está nos programas de rádio. São vários os apresentadores que se valem do twitter para interagir com seus ouvintes. Os programas de TV cada dia utilizam mais o serviço. Outro dia o programa “Super POP” colocou um debate no ar somente através do serviço, relatando o caso do ex-polegar Rafael Ilha, que tentou suicídio após discutir com a ex-mulher. Imaginem um programa de televisão guiado pelo comentários dos “twiteiros de plantão”? Não imaginaríamos isso há algum tempo atrás. E a discussão no ar movimentou outras discussões do tema dentro do twitter de pessoas em todos os cantos e lugares, em seus notebooks ou com seus celulares e até mesmo descansando em casa navegando no PC.
A conclusão que podemos chegar ao estudar tudo isso é que hoje as mídias estão envolvidas em um meio comum. Todas estão interligadas, trabalhando em conjunto. Hoje ouvimos rádio pela internet e baixamos filmes para o computador, tudo usando a internet, ao mesmo tempo em que comentamos noticias no twitter e desenvolvemos discussões em fóruns ou namoramos pelo MSN, enquanto falamos ao telefone para saber como estão alguns parentes que ainda nem sabem como usar um computador, mas que estão ouvindo no radinho aquela mesma rádio que ouvimos no PC. É meio louco? Não! É Real, e cada dia mais real!!
O próximo passo, ou próximos, será a Televisão Digital e também o Rádio Digital. A primeira parece mais próxima de chegar aos nossos lares em seguida, prometendo que podermos interagir com a programação televisiva, e o melhor, usando só a própria TV, e quando isso for realidade seremos avisados, primeiro, pelo twitter!


Nome: Augusto Pinz
Jornal
Canguçu/RS
Texto produzido para a cadeira de "Comunicação de Cibercultura da UCPel"

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

A Força da informação na Internet

Os Blogs, sites e redes sociais estão ai e são uma realidade em nossas vidas. Até quem pouco entende de infomática acaba se aventurando na busca de informações na rede mundial de computadores, ou até fazendo perfil no orkut, twitter, criando conta no msn, e outras redes.
Hoje em dia estar fora disso é estar fora de uma tendência crescente e que em algum momento acaba nos absorvendo. Não são poucas as vezes que nos perguntam "como está teu nome no orkut? tens twitter??". Até os jornais já realizam matérias citando o Twitter - a rede mais frequentada pelos americanos. Outro dia o jornal Zero Hora trazia uma discussão entre a governadora Yeda (PSDB) e o Deputado Federal Beto Albuquerque (PSB), via twitter. Mostra que a internet já pauta a mídia.
Outro ponto legal são os blogs. Onde hoje todos passam a ser fontes geradoras de notícias, ao contrário de muito tempo atrás onde eramos apenas recepetores. Nós também sugerimos, opinamos, geramos fatos, o que antigamente era restrito as fontes sigilosas e bem tratadas dos jornalistas.
A internet leva ainda vantagem nos sites de notícia na possibilidade de arrumar uma matéria, acrescentar mais informações, maior variedade de fotos e o que eu acho o principal: A informação está sempre ali e não ocupa o seu espaço. Se você quer ler novamente uma noticia, liga o pc vai no site e pimba. O Estudante de Jornalismo da UCPel, Diego Vilela - editor do site Canguçu On line - realizou pesquisa no comércio de Canguçu e descobriu que 76% dos comerciantes e comerciários utiliza a internet como principal fonte de notícias.
Apesar de tudo isso não creio no fim de edições impressas, ou interferir no campo do rádio e da tv como muitos dizem. Não! Cada um no seu quadrado. Apesar do avanço da internet via rádio pelo interior do Brasil, o rádio tem sua magia, a TV tem seu público.