sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Previsões para 2016 no programa Papo Vip


O programa "Papo Vip", da Rede Brasil de Televisão, apresentado por Amanda Françozo, trouxe para os telespectadores diversos espiritualistas para desvendar o que acontecerá em 2016 no Brasil. O programa foi ao ar nesta segunda-feira (14). Estiveram presentes a tarôloga Ana Carvalho - que também faz previsões com oráculo das agulhas, o tarôlogo Dorian Martins e o Presidente do Centro Cultural Africano no Brasil Otumba Adekunle.
As previsões mantiveram o trivial de todos os programas de TV: Um artista famoso vai morrer, perdas no esporte, como será o ano de fulano e beltrano.
Os destaques ficaram para as previsões em relação a presidenta Dilma (PT). Foram unânimes em dizer que as manifestações não farão com que ela renuncie. Porém ela poderá, sim, se afastar da Presidência por conta de problemas de saúde. Dilma já enfrentou um câncer (linfoma) antes de sua primeira eleição. Um dos astrólogos chegou a dizer que sairia em Fevereiro de 2016.
Segundo Ana Carvalho um esportista famoso Brasileiro irá nos deixar. Seria um atleta que não está mais na atividade e ela aprofundou ainda mais: Seria um jogador (ou ex) de basquete.

Para Xuxa o tarôlogo Dorian disse que apesar de ser uma pessoa iluminada e brilhante, segundo tarot, ela passará por mudanças em seu programa impostas pela Record o que a deixará insatisfeita. 
O Rei Roberto Carlos - segundo oráculo das agulhas - ele terá problemas de saúde no meio do ano  de 2016 para a frente seria um susto aos brasileiros com uma pneumonia ou parte óssea mas se recuperará. 
Para Silvio Santos a idade de 85 anos começa a pesar. Ele estaria passando pode para os filhos a administração dos negócios. Vai se dedicar as coisas pessoas.

O ano de 2016 ainda será difícil, porém o Brasileiro estará mais atento sabendo como utilizar seus ganhos para que possa ter um ano mais seguro financeiramente segundo Otumba. Para a numerologia será um ano 09 que marca recomeço e também maturidade. As pessoas vão pensar mais antes de falar e ter atitudes mais sensatas.  

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Mais de 30 mil escolas públicas brasileiras ainda não contam com acesso à Internet

Problema é maior nas escolas rurais, mas atinge também mais de 9 mil escolas urbanas. Relatório divulgado pelo Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro - ITS -  aponta falhas de cumprimento das obrigações das teleoperadoras

O Brasil tem hoje um total aproximado de 32.434 (22%) escolas públicas que ainda não contam com qualquer tipo de conexão à Internet. Um levantamento realizado pelo Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS)* mostra que apenas 13% das escolas rurais estão conectadas à Internet. No caso das escolas urbanas, o atendimento é maior - cerca de 80% - mas ainda há mais de 9 mil escolas localizadas em cidades que ou não possuem acesso à rede ou recebem menos internet do que têm direito a receber.

O modelo de oferta de Internet para escolas públicas brasileiras varia de acordo com o tipo da escola: rural ou urbana. As escolas urbanas são atendidas pelo Programa Banda Larga nas Escolas (PBLE) - uma iniciativa do Governo Federal para conectar as escolas públicas com banda larga através da troca de obrigações com as empresas de telefonia. Neste modelo, em troca da concessão de exploração comercial, a empresa deve garantir o fornecimento e a manutenção de banda larga para as escolas urbanas, totalizando 82 mil escolas em todo país (dados do Censo Escolar de 2014). A lei prevê que as escolas recebam banda larga de pelo menos 2Mbps ou igual à melhor conexão ofertada na região.

Mesmo cinco anos após a criação do programa, entretanto, 4,5 milhões de alunos permanecem em desvantagem, já que cerca de 9 mil escolas urbanas ainda estão em situação irregular. E, apesar da ampla cobertura do PBLE, 5.736 escolas urbanas brasileiras ainda não estão conectadas. Dados do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) apontam ainda que existem hoje mais 4.811 escolas que deveriam estar recebendo mais banda larga do que recebem atualmente.

Além disso, a revisão das metas do PBLE, que deveria ser semestral, não foi realizada, fazendo com que a imensa maioria das escolas apresentasse em 2014 a velocidade estabelecida como meta em 2010 -  2 Mbps. Dados da Anatel sobre o Programa Banda Larga nas Escolas apontam que, no início do ano passado, somente 1,19% das escolas recebiam conexão a partir de 8Mbps. “Cinco anos depois do prazo limite para a universalização do PBLE, há grave violação do princípio da universalidade, cujo efeito prático é o oposto do idealizado pelo programa, que é a superação das desigualdades no setor educacional, aprofundando as disparidades hoje existentes”, afirma Ronaldo Lemos, diretor do ITS.

Já para as escolas rurais, há duas possibilidades: a primeira foi estabelecida por meio de um edital aprovado em 2012 que prevê que as operadoras de celular ofereçam conexão via 4G gratuita para as todas essas escolas que atendam mais de 185 alunos. A segunda possibilidade é a conexão via satélite para escolas de áreas muito remotas.

No entanto, do total de 65.738 escolas rurais brasileiras, apenas 2.569 (3,9%) estão conectadas por satélite, com velocidades de 1 Mbps. E apesar de 35 mil escolas possuírem energia elétrica e infraestrutura de TI – tendo, portanto, condições de ser conectadas -  somente 27 mil delas são elegíveis para o atendimento das operadoras -  dada  limitação imposta pelo edital para o atendimento de escolas com mais de 185 alunos. Dessas 27 mil, atualmente, apenas 5.733 estão conectadas.

O acesso à Internet é considerado parte essencial do Direito à Educação. Existem inúmeras plataformas e aplicativos para auxiliar na aprendizagem do aluno que são gratuitos e estão disponíveis online. No entanto, grande parte dos alunos da rede pública permanece privada deste material por não possuir acesso suficiente à Internet dentro das escolas onde estudam.

Exigências

Para Ronaldo Lemos, diretor do ITS, é fundamental conectar todas as escolas urbanas e rurais. “Há uma grave violação do princípio da universalidade, aprofundando as disparidades hoje existentes. Ao expandir o acesso à informação e permitir que professores e alunos acionem diferentes fontes e aprofundem seus repertórios, democratiza-se o acesso à informação e a materiais pedagógicos de qualidade, em especial para escolas com menos recursos”, explica.

Lemos afirma ainda que mesmo que todas as escolas brasileiras fossem atendidas pelo PBLE, é preciso reavaliar a velocidade de conexão oferecida pelo Programa, pois ela é insuficiente para levar inovação para as salas de aula, além de estar muito abaixo da oferecida no resto do mundo. Enquanto outros países discutem e implementam velocidade de conexão de 50 ou 100 Mbps, o PBLE se compromete a oferecer 2 Mbps.

Entre as exigências contidas no relatório do ITS, estão a imediata notificação das empresas cujo descumprimento das obrigações já tiver sido verificado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel); a conexão das escolas não conectadas por falta de infraestrutura das operadoras, aplicando sanções cabíveis em caso de descumprimento; e forte gestão junto ao FNDE para a superação destes problemas em curto prazo de tempo e o acompanhamento da conexão das escolas em até 90 dias, após superados os problemas nas escolas que realmente os têm.

* Se tiver interesse no relatório completo, entre em contato com a Assessoria de Imprensa da Fundação Lemann.

Assessoria de Imprensa Fundação Lemann – organização parceira do ITS no movimento Internet na Escola

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

5 atitudes para manter a circulação ativa

Extremidades frias, inchaço dos membros inferiores, dor, cansaço excessivo, sensação de formigamento e aparecimento de varizes podem ser sinais de má circulação. Dr. Caio Focássio, cirurgião vascular da capital paulista, conta que a circulação é responsável por transportar oxigênio e nutrição para as células dos tecidos e órgãos. Quando ocorre alguma falha nesse processo é porque acontece algum entupimento das artérias por placas de gordura ou pressão nos vasos sanguíneos. "As mudanças de hábitos simples podem ajudar a melhorar esses sintomas", explica o vascular que deixa algumas dicas: 
1.    O consumo de água diário ajuda a acelerar o funcionamento dos rins e, com isso, pode ainda diminuir o inchaço; 
2.    Evitar períodos prolongados na mesma posição - seja em pé ou sentado; 
3.    Elevar as pernas por alguns minutos depois de um dia de trabalho ajuda a melhorar o retorno venoso; 
4.    Atividades físicas como a caminhada, bicicleta ou corrida também estimulam o retorno sanguíneo; 
5.    Evitar a obesidade e manter o controle do peso diminui os riscos do aparecimento de varizes e os sintomas de inchaços das pernas.
FONTE: Dr. Caio Focássio
Cirurgião vascular formado pela Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo e Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Pós graduado em Cirurgia Endovascular pelo Hospiten – Tenrife (Espanha). Médico assistente da Cirurgia Vascular da Santa Casa de São Paulo. www.drcaio.com.br

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Dicas para se livrar do Sedentarismo

Entre os inúmeros mitos e verdades sobre a prática de atividades físicas, Willian de Freitas Pedroso (CREF: 115783-G/SP) profissional de educação física da rede Just Fit de Academias, enumerou 5 motivos para os sedentários iniciar uma atividade física  e começarem hoje mesmo a se movimentarem. Confira:
1. Meia hora por dia é suficiente para deixar de ser sedentário. Os 30 minutos podem ser contínuos ou divididos ainda em três períodos de 10 minutos cada. Encontrar uma atividade que combine com o estilo de vida individual é o que vai diminuir as chances de interrupções da rotina de treinos. 
2. Praticar atividade física regular na maioria dos dias da semana diminui o risco de desenvolver doenças no coração, pressão alta, osteoporose, diabetes e obesidade.
3. Está difícil começar a treinar, as pequenas mudanças de hábitos diários já ajudam muito como trocar elevadores por escadas, deixar o carro por um dia na semana na garagem, passear com cachorro, cuidar da limpeza da casa, lavar o carro, entre outros, já fazem o organismo entender que precisa se movimentar.
4. Duas horas de atividades anaeróbicas (musculação localizada), por semana, além dos 30 minutos de caminhada ou corrida intensa por dia melhoram significativamente o aparecimento de doenças causado pelo sedentarismo.
5. 1 minuto de atividade física intensa é compatível com 2 minutos de atividade moderada. Caminhada em ritmo acelerado pode ser uma atividade moderada. Já a corrida pode ser considerada uma atividade intensa.
6. Depois de aderir a todas as dicas acima é só colher os benefícios como: a diminuição do apetite, a melhora do humor, a perda de gordura (emagrecimento), o enrijecimento dos músculos, a melhora da imunidade e o retardo do envelhecimento.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Movimento Pela Reforma de Direitos era campanha "fake"; agora é NÃO É PRIVILÉGIO, É DIREITO!

Muita gente se revoltou e repercutiu negativamente a bandeira levantada pelo Movimento pela Reforma de Direitos: o fim dos privilégios para pessoas com deficiência.
E, mesmo assim, por que tantos ainda desrespeitam?
Essa é a discussão que nós, do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência, queríamos levantar. E conseguimos.


É fundamental que a sociedade fale abertamente sobre isso: somos 24% da população, mais de 45 milhões de brasileiros com deficiência; só em Curitiba, somos mais de 300 mil pessoas com algum tipo de deficiência. SOMOS MUITOS! Somos pessoas com deficiência auditiva, visual, intelectual, deficiências múltiplas, surdez, transtorno do espectro autista e deficiências físicas. É preciso reconhecer e respeitar a nossa diversidade.
Temos alguns direitos diferentes porque temos necessidades diferentes. Eles foram conquistados para igualar as oportunidades e reduzir as desvantagens. Por exemplo:
TEMOS DIREITO A VAGA EXCLUSIVA DE ESTACIONAMENTO porque temos dificuldade de locomoção, e também para evitar riscos de acidentes que possamos causar ou sofrer.
TEMOS DIREITO A LEI DE COTAS PARA O TRABALHO, pois sem elas dificilmente seríamos contratados. Apesar das nossas competências e currículo, a sociedade ainda nos considera incapazes.
TEMOS DIREITO A ISENÇÕES E DESCONTOS porque temos despesas extras que elevam muito o nosso custo de vida. Além disso, temos menos oportunidades de trabalho e de educação.
TEMOS DIREITO A FILAS E ASSENTOS PREFERENCIAIS porque é uma questão de respeito, segurança e conforto para quem enfrenta mais dificuldades todos os dias.
TEMOS DIREITO A COTAS EM CONCURSOS PÚBLICOS porque, além dos desafios que enfrentamos para conseguir empregos, temos dificuldades também para estudar e disputar as vagas em condições iguais.
ISSO TUDO NÃO É PRIVILÉGIO. É DIREITO.
E serve para garantir a igualdade de oportunidades entre a pessoa COM e SEM deficiência.
Apesar disso, a maior barreira ainda é o desrespeito. Os nossos direitos são frequentemente ignorados, seja por falta de conhecimento ou de educação. Lembrando: discriminar pessoas com deficiência é crime previsto por lei.
Por tudo isso, não podemos ficar apenas na revolta. Vamos exigir respeito e, mais do que isso, vamos defender esses direitos.
Alie-se a esta causa, curta a página Curitiba Mais Inclusiva: www.facebook.com/sedpcd/?fref=ts

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Capa de jornal faz sucesso na internet

O jornal Estado de Minas tem recebido elogios nas redes sociais pela abordagem. Lembrando Renato Russo que já dizia que "nas favelas, no senado. Sujeira pra todo lado..." e perguntava "Que País é esse?" o jornal relata os problemas que tem sido destaque na mídia internacional. Tanto os problemas ambientais quanto os políticos.

domingo, 22 de novembro de 2015

ONU condena mortes de dois comunicadores no Brasil e pede mais proteção para profissionais da mídia

Escritório de direitos humanos da ONU para a América do Sul (ACNUDH) condenou em nota as mortes a tiros do radialista comunitário Israel Gonçalves Silva, em Pernambuco, e do jornalista e blogueiro Ítalo Eduardo Diniz Barros, no Maranhão. “Nos últimos anos, o Brasil vem aparecendo entre os países mais inseguros da região e do mundo para o trabalho dos comunicadores sociais”, disse o representante da ONU.

O Escritório Regional para América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) condenou as mortes a tiros de dois comunicadores sociais no Brasil.
Tratam-se do radialista comunitário Israel Gonçalves Silva, falecido no dia 10 de novembro no estado de Pernambuco, e do jornalista e blogueiro Ítalo Eduardo Diniz Barros, que morreu no dia 13 do mesmo mês, no estado brasileiro do Maranhão.
“Condenamos as mortes dos dois comunicadores e chamamos as autoridades a investigar e sancionar os responsáveis por esses crimes, para que fatos como esses não fiquem impunes”, afirmou o representante para América do Sul do ACNUDH, Amerigo Incalcaterra.
Juntamente com o manifesto de solidariedade com as famílias das vítimas, Incalcaterra expressou que a violência, intimidação e represálias fazem parte do dia a dia de muitos comunicadores sociais no país por conta de seu trabalho. Ele pediu às autoridades para adotar medidas efetivas para protegê-los.
“Nos últimos anos, o Brasil vem aparecendo entre os países mais inseguros da região e do mundo para o trabalho dos comunicadores sociais”, disse o representante regional. “O Estado deve adotar medidas urgentes para proteger a vida e a integridade física desses profissionais e reverter esse triste quadro”, expressou.
Incalcaterra pediu também para implementar a recomendação feita pelo Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana do Brasil sobre a criação de um Observatório da Violência contra Comunicadores.
O representante relembrou que, em resposta a essa recomendação, o Escritório do ACNUDH na América do Sul produziu um projeto para estabelecer um órgão de pesquisa, proteção e prevenção da violência contra comunicadores e defensores de direitos humanos no país, apresentado a autoridades do governo brasileiro em 2013.
“Reiteramos a disposição do ACNUDH para cooperar com o Estado, com vistas a proteger os direitos dos comunicadores e defensores de direitos humanos no país”, disse Incalcaterra.
Informações à imprensa

www.acnudh.org​

Dia do Músico e da música


quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Apometria é a medicina da alma

A depressão é o mal do século 21, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com levantamento feito com base nos dados do sistema de mortalidade do Datasus, entre 2003 e 2013, o número de mortes relacionadas com a doença cresceu 17,3%, levando-se em consideração os suicídios e outros problemas decorrentes da depressão.  
 Muitos fatores podem levar à depressão, como perda de emprego, de entes queridos, grandes mudanças ou então obsessão espiritual. Inclusive, tamanho é o crescimento dessa doença, que a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece, desde 1998, a doença "Obsessão Espiritual", que consta no CID item F 44.3.
 Diante disso, surgiram várias terapias alternativas nos últimos anos, que trazem uma nova luz para esse problema, pois podem ser integradas aos tratamentos médicos, fortalecendo ainda mais os resultados positivos.

O Instituto Biosegredo (www.institutobiosegredo.com.br), que tem mudado a vida de centenas de pessoas, oferece tratamentos presenciais e a distância, que têm mostrado índices positivos de pessoas que conseguem vencer a doença, bem como síndrome do pânico, esquizofrenia, entre outras.
 Uma das técnicas utilizadas pelo Instituto Biosegredo é a apometria, criada pelo medico Dr. José Lacerda de Azevedo, em 1987, e que posteriormente passou a ser desenvolvida e aprimorada por diversos médicos e instituições que lidam com o tratamento energético. Tem com o objetivo tratar distúrbios espirituais, mais conhecidos como transtornos psicológicos, de acordo com o CID 44.3.   
 Essa técnica é feita em grupo com uma equipe de no mínimo três terapeutas e não tem um limite definido de sessões; porém, devido à eficácia, os atendimentos ocorrem com uma média de três sessões espaçadas com um tempo médio de uma semana entre uma e outra.
Na apometria são captados todos os campos energéticos, espirituais, mentais e emocionais da pessoa. São tratados todos os desequilíbrios sutis e, como lida diretamente com a espiritualidade, também são captadas influências externas, espíritos e energias externas emanadas para a pessoa e que possam afetar sua imunidade espiritual - seu estado pleno de saúde/felicidade.
"A apometria apresenta resultados fantásticos no tratamento da depressão e síndromes afins; toda doença é psicossomática, ou seja, é resultado da somatização no corpo dos desequilíbrios energéticos. O que ocorre é que a partir do momento em que tratamos o campo espiritual e todas as influências internas que levam a pessoa a desenvolver a doença, ela passa a se curar de dentro para fora. A pessoa passa a curar sua alma e a alma cura o corpo", diz Dárcio Cavallini, terapeuta e fundador do Instituto Biosegredo.
"Já na primeira sessão constatamos melhoras fantásticas e as pessoas que antes tinham problemas com a angústia, tristeza, dor, desequilíbrios do sono passam a reequilibrar todos esses campos", explica.

Sobre o Instituto Biosegredo: 

Criado em 2008, o Instituto Biosegredo (www.institutobiosegredo.com.br) tem mudado a vida de centenas de pessoas. Fruto da parceria entre Dárcio Cavallini e Juan Ribaut, a instituição tem o objetivo de popularizar o conhecimento sobre os segredos da vida e, dessa forma, ensinar as pessoas a viverem melhor. Com uma equipe altamente qualificada de terapeutas, que transmitem o aprendizado com cursos, palestras, vivências e atendimentos, disponibilizando ferramentas necessárias para acessar o inconsciente e valorizar no consciente novos conceitos e verdades, que permitirão uma vida feliz, saudável e próspera. Um dos destaques do Instituto Biosegredo é o curso de Formação de Bioterapeutas, que serão pessoas capazes de auxiliar o processo de transformação da vida de seus pacientes. Entre os diversos tratamentos oferecidos pelo Instituto Biosegredo está a apometria, técnica terapêutica desenvolvida por médicos e cujo objetivo é tratar distúrbios espirituais, mais conhecidos como transtornos psicológicos. Inclusive, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece, desde 1998, a doença "Obsessão Espiritual", que consta no CID item F 44.3.O Instituto Biosegredo está presente em São Paulo (capital), Itatiba, Sorocaba e Alphaville.

Dia da Bandeira

Por intermédio da Bandeira do Brasil, em momentos de festa ou de dor, reverenciamos nossos heróis, crenças, tradições e valores. Que nosso pavilhão nacional nos lembre sempre que devemos colocar o Brasil Acima de Tudo! Feliz Dia da Bandeira!!

terça-feira, 17 de novembro de 2015

ONU e Observatório do Clima realizam oficina para jornalistas sobre cobertura da COP21

PNUMA, UNIC Rio e Observatório do Clima, com apoio da Embaixada da França, realizam no próximo dia 23 de novembro, em São Paulo, a oficina para jornalistas “COP21: Modo de Usar”. 
O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o Observatório do Clima e o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), com apoio da Embaixada da França, realizam no próximo dia 23 de novembro, em São Paulo, a oficina para jornalistas “COP21: Modo de Usar”.
O evento reunirá jornalistas veteranos de cobertura ambiental, especialistas em negociação e representantes dos governos do Brasil e da França, com o objetivo de apresentar informações práticas e dicas para orientar a cobertura da COP, tanto para quem vai a Paris quanto para quem acompanhará a Conferência do Clima remotamente. A programação completa da oficina está disponível em http://bit.ly/1kCo0Iv
A 21ª Conferência das Partes (COP-21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e a 11ª Reunião das Partes no Protocolo de Quioto (MOP-11) acontecerão de 30 de novembro a 11 de dezembro de 2015 em Paris, França.
Serviço: Oficina para jornalistas sobre cobertura da COP21
Data: 23 de novembro de 2015, das 9, às 13h.
Local: Fundação Getúlio Vargas, Rua Itapeva, 474 – 1º andar, sala 1.000, São Paulo
Inscreva-se em https://goo.gl/tEJmJr
Outros detalhes sobre a COP21 em http://nacoesunidas.org/cop21; a área de imprensa do UNFCCC, com contatos e outras informações, está em http://unfccc.int/press

sábado, 14 de novembro de 2015

Vem aí a pílula anticoncepcional masculina

O contraceptivo feminino foi um dos grandes lançamentos da indústria farmacêutica dos últimos 60 anos. Agora, cientistas acreditam estar bem perto de lançar a pílula anticoncepcional masculina.  Tudo começou quando se percebeu que duas substâncias usadas para evitar a rejeição de órgãos transplantados – a Ciclosporina A e o Tracolimus, ambos inibidores da enzima Calcineurina – acabavam impedindo que as cobaias usadas no experimento engravidassem, embora tivessem sexo com camundongos machos. 

Pesquisadores do Japão descobriram que os espermatozoides dos camundongos que receberam as substâncias citadas continuavam com quantidade e mobilidade capaz de fecundar uma cobaia do sexo feminino, exceto pelo fato de não ter a “hiperativação” – movimento fundamental para que o espermatozoide fecunde o óvulo. Certa de estar no caminho de descobrir um contraceptivo masculino, a equipe do Dr. Haruhiko Myiata, da Universidade de Osaka, já percebeu que os animais que receberam a Ciclosporina A ou o Tracolimus por duas semanas se tornaram inférteis – sendo que sua fertilidade foi restabelecida depois de uma semana que pararam de ingerir a medicação. 

Na opinião do Dr. Edson Borges, especialista em Medicina Reprodutiva e diretor científico do Fertility Medical Group, quando lançado, o contraceptivo masculino deverá mudar bastante o comportamento dos casais, podendo diminuir o número de vasectomias e laqueaduras realizadas. “Por consequência, isso também terá impacto sobre a Fertilização Assistida, já que menos pessoas enfrentarão arrependimento por não poderem mais ter filhos e as dificuldades para restabelecer a fertilidade – o que nem sempre é possível”. 

No Brasil, são realizadas mais de 35 mil vasectomias por ano. Entretanto, novos arranjos familiares têm levado cerca de 10% dessa população a buscar reverter o procedimento. “A vasovasostomia, que é a reversão da vasectomia, é um dos meios mais utilizados pela comunidade urológica para restaurar a fertilidade masculina, mas nem sempre é bem indicada. Antes de tudo, é fundamental saber há quantos anos o paciente foi submetido à ligadura dos ductos seminais. Quanto mais tempo, menores são as chances de sucesso. Outro fator importante a ser considerado nesse caso é a idade da parceira, já que a fertilidade feminina também cai abruptamente depois dos 35 anos”. 

Embora existam dificuldades técnicas que podem comprometer a vasovasostomia, quando bem indicado o procedimento costuma resultar na restauração dos espermatozoides em 70% - 90% dos casos, com taxas de gravidez em torno de 50%. 

FONTES:

Dr. Edson Borges Junior, médico urologista, especialista em Medicina Reprodutiva, diretor científico do Fertility Medical Group – www.fertility.com.br

https://www.sciencemag.org/content/350/6259/442.abstract

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Jornal não é obrigado a consultar figura pública antes de publicar fotos suas

Os jornais não têm qualquer obrigação de consultar figuras públicas antes de publicar fotos delas. Além disso, emitir opinião em tom crítico não é calúnia para ser recompensada. Assim entendeu a 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais ao isentar o jornal A Tribuna Pouso Alegrense de indenizar um vereador que pediu reparação por danos morais pela veiculação de uma matéria supostamente caluniosa. O TJ-MG manteve a sentença proferida pela 4ª Vara Cível da Comarca de Pouso Alegre.

O vereador alegava que o jornal publicou, no dia 3 de novembro de 2012, na primeira página, uma fotografia sua noticiando o afastamento das funções do cargo de presidente da Câmara de Vereadores de Pouso Alegre em razão de ele ter supostamente nomeado parentes para ocupar cargos na prefeitura.

Em primeira instância, o juiz entendeu que a conduta do jornal não afrontou a dignidade ou a honra da vítima, portanto julgou improcedente o pedido de indenização.

O vereador recorreu da decisão ao Tribunal de Justiça. Ele alegou que a reportagem extrapolou o direito de liberdade de informação, afirmando que a acusação de nepotismo é falsa e que a publicação da matéria lhe causou vários transtornos, manchando sua honra, imagem e credibilidade. Afirmou também que a publicação de sua foto, sem sua autorização, ensejaria danos morais.

Ao analisar os autos, o relator do processo, desembargador Vicente de Oliveira Silva, entendeu que o jornal se limitou a publicar notícia de utilidade pública e de cunho informativo, externando opinião em tom de crítica, sem o intuito de ofender ou injuriar o apelante. Ainda segundo o desembargador, o simples fato de não ter sido o apelante consultado para autorizar a publicação da foto não configura o dano moral. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-MG.

Campanha do "Outubro Rosa" aumenta procura por exames da mama

A luta pela conscientização das mulheres da importância de realizar exames de imagem como forma de prevenção para o Câncer de Mama demonstra resultados significativos após a campanha do "Outubro Rosa". Na clínica Mamorad, a procura por Mamografias e Ultrassonografias Mamárias aumentou nos 31 dias de outubro, em comparação com setembro de 2015.

- As Mamografias tiveram aumento de 13% em relação ao mês de setembro. Já as Ultrassonografias Mamárias apresentaram aumento de 15%. É muito positivo observar que a procura pelos exames aumenta de maneira significativa nos meses de outubro. As pacientes falam sobre o "Outubro Rosa" e demonstram conhecer a campanha - avalia a gerente da clínica Mamorad, Neiva Martini.

Diretora médica da clínica Mamorad, Radiá Pereira dos Santos ressalta que as campanhas na mídia, como o "Outubro Rosa", ajudam a atrair mais pacientes aos consultórios. Assim, as mulheres estão percebendo a importância de reali-zar os exames de imagem, que servem como forma de prevenção à doença. 

- As chances de cura para aquelas que têm o diagnóstico precoce são até 90% maiores. Por isso é importante que sejam realizados exames que apontam a presença do tumor com frequência - relata.

Os exames da mama devem ser realizados anualmente pelas mulheres. Exis-tem tumores que podem crescer de um ano para o outro, bem como existem alguns que não se modificam em prazos longos. A detecção precoce do câncer de mama é fundamental, para evitar qualquer chance de permitir que um grau mais agressivo da lesão evolua de forma irreversível.

Sobre a Mamorad
A Clínica Mamorad está situada em Porto Alegre, no bairro Bela Vista. Foi a primeira clínica do Brasil idealizada com o foco exclusivo na mulher e no exame de mamografia, que continua sendo o método mais eficaz na detecção precoce do Câncer de Mama. A concepção do modelo da clínica foi criação de Radiá Pereira dos Santos, que há mais de 30 anos se dedica exclusivamente ao diagnóstico radiológico das doenças mamárias, pois possui o título de especialista em radiologia e mastologia, pelas respectivas entidades de especialidade médica oficiais.

Sobre o Instituto César Santos 

O Instituto César Santos foi criado em 2005 através da filha e dos netos do Dr. Cesar José dos Santos. Está voltado para a área de educação, como forma de prestigiar o trabalho desenvolvido durante vários anos pelo seu patrono. Tem o propósito de disseminar o estudo e a pesquisa científica, em todos os níveis de conhecimento, qualificando gerações de cidadãos, como forma de edificar sólidos pilares na construção de uma sociedade justa e fraterna.
PlayPress Assessoria de Imprensa
Fones: (51) 3361.6016 / (51) 8536.0690 / (51) 8536.0691

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

“O jornalista é um historiador do cotidiano”, avalia comunicador carioca

O jornalista e o historiador estão interligados. O primeiro narra o presente. O segundo, o passado. Para José Pedro Villalobos, comunicador formado pela Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Famecos/PUC-RS), “o jornalista é um historiador do cotidiano”. Ele explica que estudar o passado envolve distanciamento para analisar em profundidade o acontecimento. O jornalista precisa confiar na sua apuração e contar os fatos de forma honesta, transparente e coerente.

O carioca cursou história, mas logo mudou para jornalismo. Queria ser historiador do presente. Colocou os pés no prédio 7 da Famecos pela primeira vez há 30 anos e diz que a escolha pela instituição não foi difícil, pois a considera a melhor daculdade de jornalismo até hoje. O diplomado não hesita em afirmar que o estúdio de televisão era seu ambiente favorito. Isso explica os caminhos que seguiu durante a carreira. Villalobos trabalhou na RBS TV e na TV Com por duas décadas. “Eu sentia o caminho que tomaria e – pelo menos até agora – é o mais marcante da minha trajetória”.

Todos que passam pela Famecos têm seus docentes favoritos. Villalobos teve a oportunidade de trabalhar com alguns de seus preferidos, como Alice Urbim, Raul Costa Júnior e Cláudia Nocchi. Ele também menciona Carlos Kober, de televisão, que marcou pelo conhecimento profundo e o jeito de transmitir este conhecimento. “E o Leonam, um ‘clássico’ com as suas leis. A minha preferida é: 'jornalista pode pecar por tudo, menos por ingenuidade'”.

O primeiro trabalho de Villalobos foi em sua própria produtora de vídeo, chamada Canal Zero. “Foi um fracasso absoluto! Eu e mais dois sócios criamos a empresa no fim de 1989, uma época em que os vídeos empresariais estavam crescendo”. Mas, em 1990, veio o famoso Plano Collor, que confiscou a poupança e deixou todo mundo sem dinheiro. “Batalhamos por dois anos, mas acabou”. Além desta produtora, também trabalhou em jornais de nicho. Um deles voltado para o pólo petroquímico e outro focado no público que faz concursos. “Mas a minha atividade profissional mais relevante até hoje foi na RBS TV e TV Com, onde passei 20 anos”. Ele começou como produtor na RBS TV, depois foi editor-chefe do 'Bom Dia Rio Grande' por dois anos e editor-chefe do 'Jornal do Almoço' por quase nove anos. Ainda foi coordenador de produção e reportagem e, por fim, dois anos como gerente de produto na TV COM. “Agora estou iniciando uma empresa própria, chamada JPV Mídia, voltada para projetos digitais de comunicação”.

O carioca define jornalismo como informação qualificada, que contextualiza e analisa os fatos, comportamentos e situações do cotidiano. “Na medida do possível, deveria situar o público em termos históricos, fazer relações com outras épocas, pois a história sempre se repete”. Durante a carreira, participou de várias coberturas relevantes que fizeram a profissão fazer sentido. O jornalista lembra que em uma reportagem para o 'Jornal do Almoço' sobre a fila dos transplantes de fígado no Rio Grande do Sul, o entrevistado estava
com os dias contatos e não conseguiria doador a tempo. “A repercussão foi tanta que o secretário da Saúde na época autorizou que a fila fosse ‘furada’, e a pessoa acabou se salvando”.

O que mais fascina Villalobos no jornalismo é a reportagem investigativa, o talento para descobrir aquilo que governantes e poderosos querem que permaneça oculto. “Este é o sentido mais nobre do jornalismo”. Ele defende o diploma para jornalistas. Afirma que a tarefa do dia a dia, da apuração, da checagem e da edição são funções para profissionais diplomados. “O que temos é um universo de informação repetida, de baixa qualidade. Isto deveria ser um fator de defesa do emprego do jornalista profissional”.

Sobre o futuro da profissão, o jornalista acredita que as plataformas vão mudar o tempo todo e é preciso mostrar trabalho em todas elas. Mas o que vai prevalecer é a qualidade. Por isso, aconselha aos alunos que, como “historiadores do presente”, nunca deixem de estudar História. “Se o negócio é ser produtor de conteúdo, tudo bem; mas seja um produtor altamente qualificado, não só na forma, mas na relevância do que estiver contando”.

(*) Integrante do projeto ‘Correspondente Universitário’ do Portal Comunique-se. Estudante do 4º semestre do curso de jornalismo da Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Famecos/PUC-RS).

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Urologista alerta sobre os cuidados com a saúde masculina

De acordo com o Ministério da Saúde, o câncer de próstata é a quarta causa de morte entre os homens e o segundo tipo mais frequente. A campanha Novembro Azul conscientiza sobre os cuidados com a saúde do homem. 
Segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), a estimativa de novos casos no ano de 2014 foi de 68.800 e o número de mortes no país em 2013 foi de 13.772. O urologista e andrologista Paulo Egydio explica que “os tumores na próstata podem crescer, alcançar outros órgãos e levar à morte. Mas, ainda assim, quando diagnosticada e tratada no início, a doença apresenta grandes chances de ser controlada”. 
O urologista e andrologista diz que no início, a doença não apresenta sintomas. Quando se manifesta, já está em estágio avançado, com menor possibilidade de cura. O preconceito acaba sendo o responsável pela morte de muitos homens que são acometidos por este mal. O check-up preventivo, a partir dos 45 anos de idade (ou a partir dos 40 para quem tem antecedente familiar), pode detectar o problema ainda em estágio inicial e ser curável.
Os principais efeitos colaterais do tratamento do câncer de próstata, seja por radioterapia ou cirurgia para retirada da próstata, podem ser a disfunção erétil (impotência sexual) e incontinência urinária. Mas estes problemas são tratáveis. O homem precisa se preocupar primeiro em tratar o câncer e preservar sua vida. E se tiver algum efeito colateral, então faz o tratamento.
Além de alertar sobre a prevenção para o câncer de próstata, a campanha Novembro Azul também lembra sobre os cuidados que o homem deve ter com a sua saúde. Confira a seguir algumas dúvidas esclarecidas pelo urologista e andrologista Paulo Egydio.   
Disfunção erétil 
A Disfunção Erétil (DE), também conhecida como impotência sexual, é um distúrbio caracterizado pela dificuldade de se obter e/ou manter, de maneira constante, uma ereção peniana adequada e suficiente para a atividade sexual satisfatória (desde a penetração até a ejaculação).
Milhões de homens em todo o mundo são atormentados por problemas de disfunção erétil e por motivos de desinformação, medo ou vergonha de procurar um profissional para o tratamento adequado, acabam comprometendo seus relacionamentos, deixando de usufruir de uma vida sexual saudável e feliz, com qualidade de vida. 
Atinge 52% dos homens entre 40 e 70 anos, em diferentes graus de intensidade (leve, moderada e severa). Milhões e milhões sofrem deste problema.
A dificuldade para iniciar o tratamento adequado é o grande obstáculo a ser vencido. Portanto, conhecer o problema, vencer o medo e a vergonha e procurar ajuda médica especializada para o tratamento adequado são os principais fatores que levam à solução do problema.
Os problemas de ereção, em todos os níveis de intensidade, são tratáveis através de medicamentos (comprimidos ou injeções) ou cirurgia. 
A disfunção erétil severa, não responsiva a tratamentos clínicos (como medicamentos), compromete a qualidade de vida e também tem solução. Para estes casos, existe a possibilidade do implante de prótese peniana, um procedimento seguro, eficiente e com alto índice de satisfação para o casal. 
Em muitos casos em que há a indicação do implante da prótese, o paciente pode ter experimentado uma redução do tamanho do pênis e somente com o simples implante o pênis ficaria muito pequeno e o paciente muito insatisfeito. Com a técnica desenvolvida pelo urologista Paulo Egydio, é possível fazer o alongamento, aumentando o maior tamanho e calibre possível do pênis, proporcionando uma maior satisfação do paciente.
Deformidades: o pênis pode curvar, afinar e reduzir de tamanho
Muitos jovens nascem com a curvatura peniana congênita e acabam se fechando para o mundo externo, não compartilham a angústia com a família e os amigos, e sofrem efeitos colaterais, como introspecção, drogas, fuga de relacionamentos, pensamentos suicidas, entre outros. Segundo Dr. Paulo Egydio, muitos deixam de estudar, se isolam e entram em depressão. 
Os pais precisam estar atentos aos sinais que o filho transmite de que algo está errado com ele. “Outro dia recebi um jovem que estava sofrendo porque tinha curvatura no pênis. Os pais perceberam o distanciamento do filho e conversaram com ele, que acabou desabafando. Hoje, graças ao apoio dos pais, ele está bem e feliz”, conta.
Muitos homens desenvolvem a curvatura peniana adquirida (Doença de Peyronie) em alguma fase da vida, geralmente por algum trauma ou microtraumas durante as relações sexuais. Esta curvatura, que chega a ultrapassar 90 graus, pode prejudicar ou até impossibilitar o ato sexual. Estes homens costumam se fechar em seu mundo, achando que o problema não tem solução, comprometendo relacionamento, casamento, família, trabalho etc.
E além de curvar, o pênis pode também afinar e reduzir de tamanho. Todos estes casos são tratáveis e é possível corrigir o problema alongando e recuperando tamanho e calibre do pênis.
Incontinência urinária
Incontinência urinária masculina é a perda involuntária de urina. Para muitas pessoas, esta condição é uma fonte de constrangimento e dificuldade social, que costuma ser escondida e não tratada, podendo afetar de forma dramática a qualidade de vida dos pacientes, limitando suas atividades sociais, exercícios físicos e sua vida sexual e profissional, comprometendo o bem-estar físico, emocional, psicológico e social. 
A incontinência urinária é um problema que afeta mais de 10 milhões de pessoas no Brasil, sendo que, em pelo menos 25% dos casos, atinge os homens. As suas causas incluem traumas, doenças neurológicas e sequelas de cirurgia de próstata ou uretra. Mas o problema tem tratamento, que pode ser clínico ou cirúrgico e irá depender de sua causa e severidade. 
Após tratamento cirúrgico do câncer da próstata (prostatectomia radical), a incontinência pode ser temporária ou definitiva. O grau de incontinência varia de caso para caso e é importante saber que é tratável e geralmente curável. 
Os pacientes que permanecem com incontinência urinária por muitos meses após a cirurgia na próstata, devido ao enfraquecimento do mecanismo esfincteriano da uretra e que não apresentem uma boa resposta aos tratamentos clínicos e menos invasivos, podem recorrer ao tratamento cirúrgico. O esfíncter urinário artificial é atualmente considerado o tratamento mais eficiente para pacientes com incontinência urinária por problemas no esfíncter. Além de uma alta eficiência, apresenta também um baixo índice de complicações. 
É fundamental uma avaliação particularizada e criteriosa, para um diagnóstico mais preciso para cada caso em particular e definição do melhor tratamento

Para mais informações sobre saúde do homem e sobre os principais problemas que podem acometer o homem em todas as etapas da vida, acesse www.drpaulo.com.br

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Orientação Profissional, Empregabilidade e Empreendedorismo

Uma das grandes preocupações dos jovens hoje é com relação à escolha da profissão. Uma decisão difícil, que precisa ser tomada em meio a muitas dúvidas, comuns na vida de quem tem 17, 18 anos. 
Mas a escola, junto com os pais, pode ajudar nisso. O suporte e as informações para que os estudantes possam ter mais segurança na hora de escolher a carreira devem ser fornecidos desde bem cedo, desde os primeiros anos escolares.
Uma metodologia, chamada OPEE (Orientação Profissional, Empregabilidade e Empreendedorismo) desenvolvida pelo psicólogo Léo Fraiman, já dá resultados. 
Trata-se de um conjunto de intervenções sistemáticas, no qual o aluno a cada ano fica mais motivado a construir um projeto de vida sadio, baseado em valores e em escolhas que condizem com seus objetivos.

Em que idade crianças devem começar a receber informações sobre empreendedorismo, empregabilidade e carreira? 
Como para a OPEE uma educação empreendedora é aquela que valoriza tudo, mesmo as pequenas coisas, favorece as conexões entre as pessoas, valoriza o trabalho de excelência, tem foco e estimula a validação do indivíduo e de seu próximo, pode e deve ser utilizada desde o início da formação da criança.  A Metodologia OPEE encara ainda a ideia do empreendedorismo em sua questão etimológica (do Latim, pegar a vida nas mãos). Ou seja, acredita-se que é possível uma educação que, desde os primeiros anos escolares ensine que um projeto de vida precisa ser construído e cada etapa do aprendizado é como um tijolo desta construção. As questões de empregabilidade e carreira vão crescendo em quantidade e complexidade no material a partir do ensino fundamental até o Ensino Médio. Fundamental 2 e Médio são os momentos em que mais trabalhamos empregabilidade e carreira.

De que maneira esses conteúdos são ensinados aos mais jovens? 
Às crianças de maneira mais lúdica, com vitalizadores, dinâmicas, atividades vivenciais, projetos, pesquisas e, aos adolescentes, com as mesmas propostas porém com maior nível de complexidade e informações mais teóricas. Também utilizamos análises de caso para reforçar o trabalho.

Que tipo de aproveitamento pode-se esperar das crianças? O que se deve esperar de um aluno exposto a este tipo de conteúdo?   
O aluno consegue, primeiro, conhecer-se melhor e, assim, poder entender seus talentos e dificuldades a vencer. Trabalhando o autoconhecimento, ele poderá fazer melhores escolhas, sendo menos influenciado por seus pares. Também esperamos que a criança entenda o mundo do trabalho e das profissões, livrando-se de estereótipos sobre profissões e ocupações para poder enxergar de forma mais ampla, sabendo identificar o que mais tem a ver com seus anseios. A educação financeira entra como um caminho para o entendimento do dinheiro como um meio e não uma finalidade, visando à sustentabilidade nas relações profissionais. Outra questão importante é encarar o trabalho como uma atividade que transforme o mundo para melhor pois, desta forma, em vez de buscar ser o melhor do mundo num contexto de disputa, o estudante possa buscar ser o melhor para o mundo em atitudes colaborativas

Quais atividades e exercícios podem apoiar os professores e serem aplicados no ensino do tema?  
Primeiro, é fundamental que conheçam a fundo a Metodologia OPEE. Por isso a capacitação online está disponível o tempo todo no portal, com vídeos do próprio autor. Sabendo dos nossos pilares (autoconhecimento, escolha profissional, mercado de trabalho, métodos de ensino, educação financeira e tudo isso somado na construção de projeto de vida), o professor poderá ajudar a focar suas aulas no sentido da construção de um projeto maior que apenas passar no vestibular. Um projeto de formação humana, permeado com o estímulo da prática de valores humanos universais.

As 5 dicas básicas que podem ser dadar aos pais que pretendem introduzir o tema carreira na vida de seus filhos.
- conhecer os filhos que têm: seus talentos, suas dificuldades, seus gostos.
- aprender junto com os filhos, indicando caminhos e não determinando a trilha a seguir, unindo as possibilidades aos seus sonhos, participando nas pesquisas sobre carreiras e suas adequações ao universo de possibilidades apresentadas.
- participar da vida escolar dos filhos, interagindo com o corpo docente e ajudando nas descobertas sobre cursos, profissões e ocupações possíveis.
- interagir e incluir nesse processo a própria experiência de vida, para que o filho possa saber mais da vida profissional dos pais, seus sonhos, seus anseios, suas realizações. 
evitar despejar no filho o sonho que não é dele (esse é um problema que detectamos com muita frequência e é uma das causas da enorme evasão universitária que temos)

Com informações de Assessoria de Imprensa – Ricardo Viveiros & Associados

Fortaleza que a Bíblia mencionava acaba de ser encontrada em Jerusalém

Após um século de buscas, arqueólogos disseram ter descoberto os resquícios de uma antiga fortaleza grega que já foi um centro de poder em Jerusalém e um bastião usado para conter uma rebelião judaica comemorada no livro bíblico dos Macabeus.

Há tempos os pesquisadores debatem a localização da cidade de Acra, construída mais de dois mil anos atrás por Antíoco Epifânio, rei do império selêucida helênico. Muitos afirmam que ocupava o local onde hoje se encontra a Cidade Velha de Jerusalém, com vista para a Igreja do Santo Sepulcro ou junto à colina onde dois templos judeus estiveram no passado e que hoje abriga o complexo da mesquita de Al-Aqsa.

Mas os restos desenterrados pela Autoridade de Antiguidades de Israel e tornados públicos estão do lado de fora dos muros da Cidade Velha e dão vista para um vale ao sul, uma área na qual, segundo os arqueólogos, a construção de Jerusalém se concentrou nos tempos do rei bíblico David.

Antíoco, que viveu entre 215 e 164 a.C., escolheu o local para Acra para poder controlar a cidade e monitorar a atividade no templo judeu, afirmou Doron Ben-Ami, que liderou a escavação.

Com um comprimento estimado em mais de 250 metros e uma largura de 60 metros, ela teria dominado o campo. Debaixo do que uma década atrás era um estacionamento pavimentado, a equipe de Ben-Ami escavou uma colina artificial composta por várias camadas de terra deixadas por sucessivas culturas.

Em uma área, eles descobriram pedras de uma seção de uma grande parede, a base de uma torre e um aterro em declive de fins defensivos que artefatos próximos, como moedas e alças de jarras de vinho, sugerem terem pertencido ao tempo de Antíoco.

Pedras de estilingue de chumbo e pontas de flecha de bronze do período também foram encontradas, talvez remanescentes de batalhas entre forças pró-Grécia e rebeldes judeus que tentavam tomar a fortaleza.

“Este é um exemplo raro de como rochas, moedas e terra podem se juntar em um episódio arqueológico único para abordar realidades históricas específicas da cidade de Jerusalém”, afirmou Ben-Ami.

A localização de Acra foi mencionada vagamente em pelo menos dois textos antigos – o Livro dos Macabeus, que trata da rebelião, e um relato escrito do historiador Flávio Josefo. (O Sul)

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Entrevista com deputada estadual Any Ortiz (PPS-RS)

Entrevistei, na tarde desta terça-feira (03) a deputada estadual Any Ortiz (PPS) falando sobre o seu projeto do fim da aposentadoria pra ex-governadores no Rio Grande do Sul, participação da mulher e do jovem na política, possível candidatura a Prefeitura de Porto Alegre entre outros temas. Confira:

sábado, 31 de outubro de 2015

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Ouvido por 89% dos brasileiros, rádio aposta em tempo real e interatividade.

Já decretaram seu fim diversas vezes, meras “barrigadas”. Foi assim com a chegada da televisão e com o crescimento da internet. Mas é claro que, como um senhor de noventa e poucos anos, o rádio teve que entender que a sociedade mudou. “Não era assim na minha época”, diria como a maioria dos avós. Como alguém que já viu e viveu de tudo um pouco, usou a experiência para se unir a todas as “ameaças”.

Começando pelo fato de ser onipresente. Está no ônibus a caminho do trabalho, na cozinha de casa, no jogo de futebol ou no carro parado no trânsito. Além disso, é como aqueles tios “moderninhos” que descobriram o áudio no WhatsApp ou o emoticon no Facebook. Usa o streaming, podcast, SMS, redes sociais e tudo o que tem direito.

“A internet potencializou atributos que o rádio possui há várias décadas, como interatividade, segmentação e mobilidade. A rede social já está totalmente inserida na dinâmica das emissoras que desejam estar ainda mais conectadas com as suas audiências, indo além do dial”, diz Fernando Morgado, professor, jornalista, escritor e integrante da equipe responsável pelo projeto de branding da Rádio Globo.
Crédito:freeimages 

Se os meios de comunicação fossem pessoas, o rádio seria o amigo; o jornal, o professor; a revista, a celebridade; a televisão, a família e a internet, a namorada. Segundo um estudo de mídia realizado pelo Instituto Ibope, o rádio está sempre por perto e representa distração e companhia. Maior do que a população de países como Espanha, Coreia do Sul, Argentina ou Canadá: esse é o alcance do meio no Brasil, levando em conta as 13 principais regiões metropolitanas. Em números reais, são 52 milhões de brasileiros.

Aliás, números não faltam para a CBN. Com quatro emissoras próprias e 29 afiliadas, o pico de audiência no offline, somente nas praças próprias, representa duzentos mil ouvintes/minuto entre as 7 e 9 horas, com alcance de dois milhões de pessoas em trinta dias. São 1,3 milhão de visitantes únicos por mês no site, 450 mil usuários somente em iPhone, cinco milhões de downloads por mês em podcast e setecentas mil curtidas no Facebook.

“Se você imaginar quais são os dois grandes atributos de qualquer mídia encontrará tempo real e interatividade. São duas características que se confundem com o rádio. Em tempos de mexida no mercado, ele ganhou com a internet, acabando com a questão da barreira geográfica. O internauta consome da maneira que for mais conveniente. Outra coisa é que não se paga para ter informação, num mundo onde as pessoas querem informação de graça”, comenta Mariza Tavares, diretora-executiva da CBN.

Convergência
Os jornalistas são como “embaixadores” da emissora. A CBN incentiva os profissionais a usarem seus próprios perfis nas redes sociais. Tania Morales, Milton Jung, Fabíola Cidral, Petria Chaves são usuários assíduos. “O ouvinte quer alguém de carne e osso, o vínculo que se cria é mais forte”, ressalta Mariza. Partindo para o lado visual, uma das grandes apostas da Jovem Pan para este ano é a imagem.

De acordo com Antonio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha, presidente da emissora, a partir de outubro todos os estúdios da JP estarão com câmeras e os programas poderão ser vistos e ouvidos nos iPads, iPhones e computadores, por meio do site e do aplicativo. “Acho que a internet tem sinergia com o rádio, por isso foi o meio menos afetado por ela. Pesquisas americanas mostram que ele utilizou a internet para se comunicar melhor com os ouvintes.”

Ao mesmo tempo, o presidente da JP acredita que o rádio “volta para o passado”, com mais notícias, programas, talk shows e prestação de serviço. “Vão sobrar poucas rádios musicais até pela força dos aplicativos como o Spotify, mas isso ainda demora no Brasil”, completa. Morgado corrobora com a previsão. Segundo ele, independentemente do estilo de programação que adotam, nota-se claramente um investimento maior em conteúdo falado, seja informativo ou de entretenimento. “Ao contrário da música, a fala é um conteúdo de propriedade das emissoras, que, por isso, têm liberdade total para difundi-lo em qualquer plataforma e gerar novos negócios a partir dele.”

Apesar de ser uma aposta frequente, o professor pondera que o conceito podcast ainda é pouco difundido no Brasil, ao contrário da “era de ouro” que vive nos Estados Unidos. Como exemplo, cita o “Serial”, spin off do programa “This American Life”. Cada episódio tem a duração que a história exige e os áudios são enriquecidos por textos, fotos, vídeos e infográficos.

Tecnologia
O assunto que vem se estendendo desde 2013 é a migração de AM para FM. Foi neste ano que a presidente Dilma Rousseff (PT) assinou um decreto que permitiu a transição – não obrigatória – dos veículos. Segundo Luis Roberto Antonik, diretor-geral da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), essa é uma das principais prioridades. De 1.781 rádios, 1.386 (78%) concordaram com a mudança. Dessas, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) concluiu que 1.100 podem migrar imediatamente dentro da frequência 88-108. Os canais 5 e 6 da televisão poderão ser usados para a transmissão das rádios remanescentes.

Na contramão, a Noruega se tornará, em janeiro de 2017, o primeiro país do mundo a tirar do ar o sinal FM. O Ministério da Cultura do país afirmou que a digitalização gerará uma economia anual de cerca de US$ 25 milhões (aproximadamente R$ 75 milhões). Enquanto isso, o processo no Brasil está em “stand-by”. De acordo com Marcelo Goedert, especialista em rádio e representante no Brasil do Consórcio Digital Radio Mondiale (DRM), a implantação envolve basicamente três fatores: transmissores, conteúdo e receptores. Uma das dificuldades, segundo o especialista, é a definição do sistema/padrão a ser adotado no Brasil, além de não ser uma prioridade para o governo. Os candidatos são Digital Radio Mondiale (DRM) e HDRadio.

“O maior impacto seria no interior, onde o acesso à internet é limitado ou inexistente. O rádio digital poderá levar para áreas remotas do país conteúdos ilimitados, áudio de qualidade, textos, imagens. Em todo o mundo não vemos uma ‘transição’, e sim uma implantação sem previsão de desligamento do analógico, uma situação denominada de simulcast”, explica Goedert.

Segundo o especialista, o país que possui mais emissoras em rádio digital são os Estados Unidos, que iniciaram a implantação em 2003 e 17% das suas emissoras FM e 6% das OMs também transmitem no sistema HDRadio. A Índia, que deu os primeiros passos em 2011, hoje tem 96% do seu território coberto pelo sinal DRM. 

Para Pedro Vaz, professor e gerente da Gazeta AM, o futuro do rádio é certo: a linguagem voltada para os ouvidos. “Seja pela transmissão em qualquer meio tecnológico. Foi assim e continua sendo pelo aparelho de rádio tradicional, pelos PCs, pelos telefones móveis e outros instrumentos afins desenvolvidos para a transmissão do som, como os podcasts”.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Repórter do CQC acredita que jornalismo alimenta preconceito

Durante evento promovido pelo Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) na noite de segunda-feira, 26, o repórter do ‘CQC’, Juliano Dip, abordou a necessidade de utilizar a comunicação para lutar contra discriminação de qualquer natureza. “O jornalismo alimenta o preconceito diariamente”, afirmou o jornalista ao discorrer sobre destaques em matérias que salientam características dos personagens de forma pejorativa.

Juliano Dip falou sobre a importância de lutar contra o preconceito e a intolerância (Imagem: Divulgação/Band)

Como exemplo, o profissional falou sobre o caso da recente festa realizada dentro de uma delegacia. A maioria das manchetes a respeito do assunto destacava o fato de que um dos participantes era anão, deixando de lado o absurdo que é haver esse tipo de comemoração em um distrito policial.

No ‘CQC’, Dip participa de dois quadros: ‘Proteste Já’ e o ‘Haters’. Segundo ele, o primeiro ganhou abordagem mais jornalística em 2015, ano de sua chegada à atração exibida semanalmente pela Band, e o outro trabalha pautas que combatem diretamente o preconceito.

Carreira
Jornalista formado pela Universidade do Sagrado Coração de Bauru, no interior de São Paulo, Dip tem passagens por diversos veículos e diferentes mídias. Ele começou em uma rádio local, como estagiário. Em seguida, foi ao Vaticano, trabalhar na rádio oficial da Igreja Católica. De volta ao Brasil, o profissional ingressou no programa ‘Aqui e Agora’, do SBT.

Após passagem pela emissora de Silvio Santos, Dip começou a trabalhar na CBN, fazendo o jornalismo da madrugada, cobrindo crimes e acontecimentos da cidade. “Fazer jornalismo policial é contagiante. Essa área me ajudou a fazer nome na rádio”.

Dip contou que as coberturas policiais lhe renderam muitos aprendizados. “Enquanto jornalista, tenho que dar a notícia como ela é. Compreendi a importância de colher todas as informações oficiais e buscar todas as fontes. Jornalismo é agilidade”.

Além das coberturas no rádio e na televisão, Dip lecionou nos cursos de comunicação da FMU e da pós-graduação do Senac. O trabalho nas salas de aula foi interrompido quando o jornalista foi convidado para compor a equipe do ‘Custe o Que Custar’.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Doador pode manifestar vontade de doar órgãos através de site

O Projeto Doar é Legal é uma iniciativa do Poder Judiciário para conscientizar as pessoas sobre a importância da doação de órgãos.

Se você quiser manifestar sua vontade de ser doador, preencha os campos abaixo. Será expedida uma certidão - sem validade jurídica - atestando essa vontade. Imprima-a e mostre a seus familiares e amigos para que eles saibam da sua intenção.

Para cadastrar-se CLIQUE AQUI

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Explicação sobre água potável...


Plenário da Câmara dos Deputados conclui votação de projeto sobre direito de resposta

O Plenário da Câmara dos Deputados concluiu há pouco a votação de destaques ao Projeto de Lei 6446/13, do Senado, que regulamenta o direito de resposta nos meios de comunicação. Os deputados aprovaram o texto com modificações e, por isso, a proposta será analisada novamente pelos senadores.

O último destaque em votação foi aprovado pelos deputados: destaque do PSB para garantir que a retratação seja feita, se assim desejar o ofendido, pelos mesmos meios em que se praticou a ofensa.

Pouco antes, o Plenário rejeitou, por 273 votos a 145, destaque do PSDB que pretendia retirar a prerrogativa do juízo colegiado de avaliar se o recurso contra a decisão de juiz, no julgamento de pedido de resposta, é plausível e se o pedido de efeito suspensivo da decisão é realmente urgente.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Deixar água do lado da cama à noite pode fazer mal à saúde

Se você tem o hábito de deixar um copo d'água ao lado da cama para o caso de sentir sede durante a noite, saiba que, apesar de inofensivo, isso pode fazer um mal danado à saúde.

Quem descobriu o perigo de deixar a água exposta a noite inteira foram os pesquisadores do Instituto da Água da Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos. Segundo uma entrevista do cientista Dr. Kellogg Schwab deu para o site ‘Cura pela Natureza’: “Por se manter por toda a noite e madrugada em temperatura ambiente, a água é atacada por um sem número de bactérias.”

E a situação piora se você bebe aos pouquinhos - cada vez que a boca encosta no copo e na água, mais microorganismos são adicionados ao recipiente, se multiplicando lá dentro.

Os cientistas dizem que você até pode deixar um copo pequeno, apenas com a quantidade necessária para beber de uma vez. No entanto, o ideal mesmo é deixar a preguiça de lado: pegar a água diretamente do filtro e beber logo em seguida. (Yahoo Notícias)

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Brasil, a gente precisa conversar!

Ouvia um programa de rádio e um dos locutores, em uma mesa redonda, dizia que havia parado em um posto de gasolina para abastecer. No local foi atendido por um imigrante que seria Senegalês. O locutor resolveu bater um papo com o frentista perguntando quais suas impressões com o Brasil.
O senegalês respondeu, de forma sincera, que sentia muita saudade de sua terra e que mesmo com problemas gostaria de retornar. O que é natural. Mas o mais chocante, pelo menos ao meu ver, foi a próxima afirmação: "Eu esperava ser tratado melhor no Brasil!", disse.  A fala foi um balde de água fria no chamado "calor do Brasileiro que é alegre, receptivo, carnaval, futebol, que recebe todo mundo com um abraço". Não somos mais os mesmos!
O Brasileiro sempre foi descrito como gentil e hospitaleiro e parece ter sido contaminado por uma infecção global, muitas vezes até com requintes de crueldade, que se espalha pela grande aldeia global. Casualmente (se é que existe casualidade) recebi um livro que falava que atualmente está imperando a egolatria e que esta seria a possível causa da mudança de rumo do Brasileiro que vem ocorrendo há 3 décadas e ninguém toma medidas para mudar.
Essa mudança tem passado principalmente na educação onde gerações de Brasileiros tem sido mais educados pela mídia que em suas escolas e seus lares. São doutrinados pelo capital sem nenhuma vontade de pensar e desenvolver qualquer tipo de senso crítico. Antigamente a egolatria e a ostentação eram defeitos e hoje são qualidades que geram seguidores em redes sociais.
Pela falta do pensar não se criaram novas gerações com senso crítico. Não nos conhecemos mais por dentro de nós mesmos. O que está por fora vale mais. Nós nos fechamos ao mundo lá fora. Pensamos que somos superiores. Evoluídos? Nos rebaixamos.
Precisamos construir, com urgência, uma consciência humanista que enalteça o pensar. Que produza novos cidadãos comprometidos com o desenvolvimento coletivo. Que se preocupe em enriquecer a comunidade a sua volta com a disposição do trabalho na efetiva formação de uma sociedade menos preconceituosa e mais tolerante. Precisamos construir uma nova ordem social, através da cultura do pensamento para construtores sociais mais envolvidos com o que realmente importa: O ser humano. Sempre é possível um novo começo, mas não podemos esperar demais!

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Reposição mineral deve fazer parte dos cuidados diários da gestante

Diferentemente das vitaminas, o corpo humano não produz minerais. Reposição deve ser feita através de complementação alimentar

É sabido que a mulher, ao engravidar, precisa fortalecer o organismo, afinal o corpo passa por várias transformações e há a necessidade de manter vitaminas e minerais em doses adequadas para a formação do feto e o desenvolvimento do bebê. Mas diferentemente do que acontece no caso das vitaminas, nosso organismo não produz minerais, com isso eles devem ser ingeridos por meio de alimentos e, nesta fase, também com uma suplementação.
“Durante a gestação a mulher passa por inúmeras alterações, inclusive, metabólicas e nutricionais. Por conta disso, é fundamental ter atenção especial e monitorar com cuidado a parte nutricional”, explica o ginecologista e obstetra Dr. Adailton Salvatore Meira, especialista em saúde da mulher.
O cálcio, o ferro e o zinco são os minerais mais importantes durante a gravidez, entretanto, é preciso ingerir também níveis adequados de iodo, magnésio, selênio e cobre, que estão envolvidos em uma série de funções, da regulação do metabolismo ao desenvolvimento de material genético do bebê. Porém, mesmo com uma alimentação balanceada, é muito difícil conseguir as quantidades necessárias para a saúde. 
“Os alimentos estão cada vez mais fracos, com níveis reduzidos de vitaminas e minerais, muito por conta da quantidade de produtos químicos que se joga neles durante o plantio. Em muitos desses alimentos, a quantidade de cálcio e magnésio, por exemplo, representa apenas até 10% da IDR (ingestão diária recomendada) em 100 gramas. Com isso, mesmo com uma alimentação tida como saudável, a gestante não consegue ingerir a quantidade nutricional e mineral necessária para a sua saúde e a do bebê. Para se atingir tais níveis, se faz necessária a suplementação desses minerais através de um complemento alimentar, como o Vitalidade”, explica o Dr. Adailton.
O Vitalidade é um suplemento alimentar natural, feito à base de algas marinhas, que tem em sua composição 74 minerais, como cálcio, magnésio, manganês, cromo, zinco, ferro, cobre, entre outros necessários para manter os níveis recomendados para a saúde da gestante e perfeita formação do bebê. Por ser de origem vegetal, não tem contra-indicação e possui altíssimo grau de absorção (90%) e biodisponibilidade (capacidade de integração dos minerais ao sistema do corpo humano) no organismo humano.  
“No primeiro trimestre, que é o de formação do feto, a grávida precisa de muita energia para que a criança se desenvolva. É indicado que ela reforce a ingestão de cálcio, fundamental para a formação óssea do feto e de ferro, importante para a formação das células do sangue. O ácido fólico também é essencial, pois previne defeitos na formação do tubo neural do feto. Já no segundo e no terceiro trimestre, que é quando a criança começa a crescer e a ter os órgãos formados, o cálcio, o magnésio e o fósforo, que ajudarão na formação do esqueleto e no crescimento dos tecidos do corpo, além das vitaminas C, B6, D e A”, conclui o médico especialista em saúde da mulher.

Assessoria de imprensa da Phosther Algamar

Máquina de Correr!


domingo, 4 de outubro de 2015

Empatando em 1 x 0 ?


EMISSÃO SONORA POR VEÍCULOS AUTOMOTORES

Os automóveis produzem sons sem harmonia. Quando em excesso, provocam poluição sonora: ronco de motores, buzina, aparelhos de som.
A exposição constante e prolongada ao barulho excessivo pode provocar:
- Diminuição da audição;
- Cansaço;
- Irritabilidade;
- Insônia;
- Stress.
Para evitar, a Brigada Militar indica:
- Mantenha o silenciador do veículo em bom estado;
- Mantenha o motor do veículo regulado;
- Use a buzina conforme a lei;
- Não acelere o veículo sem necessidade;
- Use o aparelho de som em volume moderado.

sábado, 3 de outubro de 2015

Outubro é o mês da conscientização sobre a doença de Gaucher


Doença rara atinge quase 900 pessoas no País. Sintomas que confundem médicos podem retardar o diagnóstico correto
Com o objetivo de difundir os sinais e sintomas da doença de Gaucher, enfermidade rara e hereditária que afeta cerca de 10 mil pessoas no mundo, a Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) lança a campanha #PenseGaucher. A campanha será realizada durante todo o próximo mês, que também marca o Dia Internacional de Conscientização sobre a Doença de Gaucher (1.º de outubro). “Queremos chamar a atenção dos hematologistas, pediatras e demais profissionais da saúde para a doença e, com isso, reduzir a jornada do paciente em busca do diagnóstico, que pode levar décadas”, afirma Célia Campanaro, hematologista pediátrica, membro da ABHH.
Assim foi com Paulo Ricarte, da cidade de Tuntum, no Maranhão. “Um médico me disse que eu teria apenas mais um ano de vida. Ele não sabia o que eu tinha. Minha infância e adolescência foram muito difíceis”, conta. Ricarte só foi diagnosticado aos 23 anos, depois de passar por diversos médicos e especialistas. Hoje, desfruta uma vida praticamente normal, apesar de apresentar algumas sequelas, principalmente ósseas, por ter tido o diagnóstico da doença na fase adulta.  
“Por essas e outras histórias, temos de fazer com que os médicos e a população conheçam mais sobre a doença de Gaucher”, explica a hematologista. Com incidência estimada em 1 para 120 mil pessoas, o Brasil é o terceiro país com maior número de pacientes identificados, depois dos Estados Unidos e de Israel. Já são mais de 850 pacientes diagnosticados. Para Ricarte, depois do diagnóstico e início do tratamento, sua vida tomou novo rumo. “Gosto de fazer novas amizades, de conhecer gente. E quero contar a minha experiência para que outros não passem pelo que eu passei”, explica o paciente.
Esse longo período para chegar ao diagnóstico é uma das principais preocupações daqueles que lidam com a doença de Gaucher. “É de extrema importância que os profissionais da saúde reconheçam as manifestações clínicas e despertem a atenção para a doença, mesmo que não sejam eles os os responsáveis por conduzir o tratamento”, afirma Célia. É importante pensar e investigar os casos suspeitos. Por ser uma enfermidade evolutiva, quanto mais cedo for realizado o diagnóstico e iniciado o tratamento adequado, menores serão as chances de complicações, como por exemplo, as doenças ósseas. O principal objetivo da campanha é a qualidade de vida dos pacientes. Os primeiros sinais podem aparecer em qualquer idade, mas predominam na infância e adolescência. A doença de Gaucher pode ser classificada em três tipos: 
- O Tipo 1 (forma não neuropática) corresponde a 95 % dos casos e é a forma mais comum. Afeta 1 em cada 40 mil a 60 mil indivíduos na população em geral e não compromete o cérebro ou o sistema nervoso. Alguns pacientes com a doença de Gaucher Tipo 1 podem ter pouco sintomas, enquanto outros podem apresentar manifestações graves, até fatais.   Os sinais e sintomas mais comuns são a barriga distendida, pelo aumento do baço e do fígado, fraqueza, palidez, dores ósseas, sangramentos e hematomas sem história de traumas nos locais. Também podem acontecer fraturas mais facilmente, pela fragilidade dos ossos. O hemograma pode mostrar anemia, redução de plaquetas e alterações de glóbulos brancos. A progressão da doença costuma ser lenta ou variável, e a sobrevida pode ser normal, na dependência das complicações. 
- O Tipo 2 (forma neuropática aguda) é mais raro e grave. Afeta crianças com quatro a cinco meses de idade, compromete cérebro, baço, fígado e pulmão. Podem ocorrer convulsões, alterações na respiração e progressivo retardo mental. A doença evolui rapidamente, causando a morte geralmente até o segundo ano de vida. 
- Já o Tipo 3 (forma neuropática crônica), também raro, é mais brando que o tipo 2.  O diagnóstico é feito na infância e adolescência e há comprometimento de cérebro, baço, fígado e ossos. A evolução do quadro neurológico é variável, mas menos grave que o do tipo 2. A sobrevida se dá até a segunda ou terceira década de vida. Os sinais e sintomas aparecem até o fim da infância, e os pacientes com doença de Gaucher Tipo 3 podem viver até a idade adulta.
O diagnóstico da doença de Gaucher se dá com base na história clínica e no exame físico.  Na doença de Gaucher, ocorre a redução da atividade de uma enzima, chamada glicocerebrosidase ácida, o que leva ao acúmulo de uma gordura específica dentro de células chamadas macrófagos. Esses macrófagos repletos da gordura não digerida são chamados de células de Gaucher, e encontrados em diferentes partes do corpo, principalmente no baço, no fígado e na medula óssea. A procura das células de Gaucher na medula óssea deve ser feita com atenção, e auxilia no diagnóstico.  A confirmação da doença de Gaucher se faz pela dosagem da enzima específica no sangue.  
O tratamento se baseia na reposição da enzima faltante e é chamado de Terapia de Reposição Enzimática (TRE). O paciente deve receber suplementação da enzima glicocerebrosidase ácida, desenvolvida em laboratórios especiais e muito parecida com a forma normal, que se encontra reduzida no paciente.  Com a TRE, os macrófagos passam a ficar livres do acúmulo da gordura, e as manifestações da doença têm melhora gradativa. Os efeitos marcantes da TRE são a diminuição dos volumes de fígado e baço, melhora das manifestações hematológicas (anemia e sangramentos), melhora da infiltração da medula óssea e das alterações ósseas, inclusive a dor, com grande melhora da qualidade de vida desses pacientes. O tratamento da TRE para a doença de Gaucher é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) desde 1996, e normatizado desde 2002 com o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT), balizado pelo Ministério da Saúde.
Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH):
A Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) é uma associação privada para fins não econômicos, de caráter científico, social e cultural. A instituição congrega médicos e demais profissionais interessados na prática hematológica e hemoterápica de todo o Brasil. Hoje, a instituição conta com mais de 2 mil associados.(Assessoria de Comunicação)