quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

"Pouco" ou Pouso?

Olha, não sei o que é "pouco de emergência", mas se ta no jornal é porque algo complicado...hehehe..
Erros acontecem. Era pra ser pouso...

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Morre o Missionário David Miranda, da igreja Deus é Amor

Morreu no dia 21 de Fevereiro de 2015 o missionário David Martins Miranda, líder fundador da congregação pentecostal Deus é Amor.
No site da igreja está a nota de falecimento que pode ser acessada clicando AQUI
O Velório ocorre no "Templo da Glória de Deus" na sede nacional da igreja em São Paulo.

Segundo Site Gospel + Em junho de 1962, em fins da segunda onda pentecostal brasileira, surge uma denominação autônoma fundada por um ex-católico, chamado David Martins Miranda. Com então 24 anos de idade, Miranda acabara de ser consagrado a pastor e iniciava suas pregações de cura e libertação. Sua conversão ocorrera há quatro anos, ao participar de um culto na Igreja Pentecostal Maravilha de Jesus, presidida pelo Pr. Leonel Silva. Sua mãe e avó congregavam, já há alguns anos, na Tenda de Deus Pró-Salvação e Cura Divina, e insistiam em sua conversão. Acabou cedendo às pressões. Atraídas pelas campanhas de cura e libertação, multidões fluíam todos os dias para a sede mundial da IPDA. 
Segundo Emilio Zamboni Mendonça, da Universidade Metodista, “o rádio foi o principal ponto de apoio do crescimento da Igreja Pentecostal Deus é Amor.” Há, segundo Freston (1995, p.128), pelo menos cinquenta placas acima do púlpito do Templo da Glória de Deus, na Baixada do Glicério, com indicações das rádios que veiculam os programas da IPDA. Transmitido a partir da sede mundial, o programa “A Voz da Libertação” chega aos lares de milhares de brasileiros e é retransmitido para mais de 17 países via uma rede de mais de quarenta rádios pertencentes à Igreja Deus é Amor.

Polêmicas

A Igreja Deus é Amor vem enfrentando uma série de problemas desde pelo menos 1976, quando 26 pessoas morreram vítimas de uma queda de uma laje, ao participarem da inauguração de uma filial da IPDA no Rio de Janeiro. Processado, David Miranda foi absolvido. Nove anos depois, Miranda, sua mulher e filha são denunciados à justiça de Porto Alegre por supostos “crimes” de curandeirismo e estelionato, mas acabaram livres das acusações. No começo de 2000, nova bomba: um ex-tesoureiro da IPDA (que teria trabalhado para a Igreja por 18 anos) procura a TV Bandeirantes para fazer uma série de denúncias contra a Igreja, que envolviam remessas ilegais de dólares para o exterior e associação com o narcotráfico. De acordo com o advogado Ruben Cavalheiro, representante da IPDA à época, o ex-tesoureiro vinha tentando “extorquir” a Igreja em R$ 1,5 milhão e ameaçado de tornar públicos alguns documentos oficiais.

Apesar de declarações do advogado da IPDA – de que o ex-contador teria tentado extorquir a igreja – e de que nenhuma condenação teria sido imposta à cúpula, o testemunho de Guilherme Filho Prado serviu de base para uma operação de busca e apreensão na casa de David Miranda, em setembro de 2000, e outras investigações promovidas pela PF de Foz do Iguaçu, São Paulo e Rio de Janeiro, além de CPIs do Narcotráfico de São Paulo e Brasília. A suspeita é de que a Andy Viagens e Turismo, com escritório na Vila Mariana (SP) e de propriedade da Igreja Deus é Amor, serviria de base para operações de lavagem de dinheiro. De acordo com investigações realizadas pela Polícia Federal, somente entre 1992 e 1996 – portanto, anterior às denúncias de Prado – cerca de 37 bilhões de reais teriam deixado o Brasil através de Foz do Iguaçu e tinham como destino contas do fundador da Igreja Deus é Amor. Indiciado por evasão de divisas e lavagem de dinheiro, David Miranda compareceu a Superintendência da Polícia Federal de São Paulo na tarde de 16 de maio de 2000 para prestar esclarecimentos sobre o envio de remessas de dólares para contas associadas à CC-5.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

COMEÇO DO BOCHINCHO NO RS


O dono de venda foi intimado para depor sobre a violenta briga acontecida ontem no seu armazém, no Iguariaçá. Três mortos, oito feridos, um horror...
- No meu bolicho, seu delegado. Quem sou eu para ter armazém? Armazém é o do turco Salim, que foi mascate. Por sinal que...
- Não desvie do assunto. Como e por que começou a briga?
- Bueno, pos então contemo a coisa. Domingo, como vosmecê sabe, o meu bolicho fica de gente que nem corvo em carniça de boi atolado. O dotor entende: a peonada no más, uns na frente, atirando a tava por nada; outros dentro, charlando à toa, sentados nos toco, loucos por um trago ou por uma china. A minha canha é da pura, não batizo com água de poço como o turco Salim. Que por sinal...
- Continue, continue, deixe o turco em paz.
- Pois então bamo reto que nem goela de joão-grande. Tavam uns quinze hotomando umas que outras, uns mascando fumo e outros comendo salame pra enganar o bucho, quando passou o Faca Feia com seu pingo tostado. Viu movimento, deu de redea e voltou. O dotor sabe, o guasca é mais metido que dedo em nariz de piá. Foi se achegando, largou uma cusparada no chão da entrada e deu um planchaço com o Três Lista no balcão, logo berrando se havia home no bolicho. A indiada coçou as bolas. Home tem bola, o senhor sabe. O Lautério - que não é flor de cheirar com pouca venta – disse que era com ele mesmo: deu de mão numa tranca e rachou a cabeça do Faca Feia. Um contraparente do Faca Feia, que não gostou do brinquedo, veio de fora e sentou a argola do mango no Lautério. Pegou no olho e o Lautério saiu ganiçando que nem cusco que levou água fervente no lombo. Um quera do Lautério, que não aguentou a desfeita, se botou no contraparente do Faca - que já tava batendo a perninha, puxou da adaga, riscou o chão e enfiou palmo e meio de ferro branco no sovaco do dito cujo, que chamam Pé de Sarna. 
Um irmão do Sarna, acho que chateado com aquilo, pegou um peso de cinco quilos da balança e achatou a cabeça do indio que faqueou o Sarna. Os óio saltaram, seu dotor. E eu só de revesgueio, achando tudo aquilo tempo perdido.
Um primo longe do homem do ferro branco embrabeceu, rebuscô um machado no galpão de trás e de táio golpeo o irmão do Sarna. Errou a cabeça, só conseguindo atorá o braço do vivente.
Aí eu fui ficando nervoso. Acomodei minha boca de fogo no mole da barriga, pronto pra um quero. Meu bolicho é casa de respeito, seu delegado, e a brinca já tava ficando pesada. Mas bueno, foi entonces que o Miguelão se alevantou do banco, atirou fora o paiêro, palmeou uma carneadeira com a calma de vaca mansa, chegou por trás do homem do machado, pé ante te pé, grudou ele pelas melena e degolou o pobre bicho num táio só, a coisa mais linda do mundo. O sangue esguicho longe como mijada de cuiúdo.
Aí eu e mais uns outro - tudo home de respeito - se arrevoltamo com aquilo. Brinquedo tem hora, o senhor não acha?
- Acho, sim. Mas e aí?
- Pois, como lhe disse, nós se arrevoltemo. Saquemo os talher. E foi aí que começou a peleia de verdade....
Extraído do Jornal "O DESGARRADO"

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Pesar pelo falecimento do grande amigo e diretor PEDRÃO, da Regional de Pelotas

A direção do Sindicato dos Radialistas do RS e seus funcionários lamentam o falecimento de seu diretor (tesoureiro) Pedro Lauro Cidário Duarte, ocorrida na tarde de ontem, em Pelotas, local em que dirigia as atividades de diretor como nosso representante na Regional. Conhecido como “Pedrão” o grande amigo de todos foi operador de som e apresentador de programas tradicionalistas da Rádio Tupanci. Integrou há anos as direções anteriores desempenhando sem igual o seu papel de representante da categoria dos radialistas. Mais que o grande profissional que foi, deixará saudades por ser uma pessoa impar, sempre de bem com todos e com a vida.
Ele está sendo sepultado na Capela A do Cemitério São Francisco, de Pelotas e seu sepultamento se dará às 17 horas. O presidente Caverna e os diretores Malheiros, Maguila, Edison Silva e Dino se farão presentes e levarão a solidariedade de todos os demais aos familiares e amigos do Pedrão.
Descanse em PAZ, AMIGÃO DE TODAS AS HORAS.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015